13 jan 2021 às 6:55 pm

Gaeco terminou 2020 com 13 operações e 241 mandados de prisões e de buscas

– Foto: Reprodução/Reprodução

O Ministério Público do Estado do Ceará, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), encerrou 2020 com o total de 13 operações, realizadas através ou com o auxílio do órgão. Ao todo, foram cumpridos 241 mandados de busca e apreensão e de prisão (em aberto, preventivo ou temporário).

Mesmo com um cenário atípico, ocasionado pela pandemia do novo coronavírus, o coordenador do Gaeco, promotor de Justiça Rinaldo Janja, considera o resultado positivo. “Graças ao trabalho em equipe, conseguimos superar as dificuldades em um ano de pandemia, realizando operações decorrentes de nossas investigações e em apoio aos demais órgãos do Ministério Público, ressaltando o esforço dos membros, servidores, assessores, cedidos, estagiários e colaboradores”, pontua.

As ações do Gaeco tiveram como foco membros de facções e grupos criminosos organizados, empresários, policiais militares, agentes e ex-agentes de Segurança Pública. Os crimes estão relacionados ao tráfico de drogas, recebimento de Auxílio Emergencial do Governo Federal (pago em razão da pandemia do novo coronavírus), homicídios, roubos, latrocínios, estupros, peculatos, fraudes a licitações, lavagem de dinheiro, extorsões, comércio ilegal de armas, propinas, entre outros.

As investigações do Grupo resultaram em novas operações ou deram continuidade às operações anteriores, realizadas em Fortaleza, na região metropolitana e no interior do Estado, em mais de 20 municípios: Barbalha, Cascavel, Caucaia, Morada Nova, Maracanaú, Barreira, Eusébio, Cariré, Icó, Sobral, Juazeiro do Norte, Santana do Acaraú, Boa Viagem, Jaguaribe, Aquiraz, Novo Oriente, Senador Pompeu, Nova Olinda, Tianguá, Independência, Tabuleiro do Norte, Russas, Mauriti. Algumas também tiveram abrangência nacional, com mandados cumpridos nos estados de Alagoas, Pernambuco, Bahia, Paraíba, Piauí, Paraná, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Minas Gerais.

Fonte: CN7
Por: Fernando Ribeiro
Com informações do MPCE

O que achou disso?