17 jul 2016 às 7:53 pm

Operação Impacto realiza onze prisões e mais de dez mil abordagens

operacao_impactoMais de 10 mil abordagens a pessoas e veículos, foram realizadas pela Polícia Militar entre as 19 horas desta sexta-feira (15) e as 2h da madrugada deste sábado (16), durante a 16ª edição da Operação Impacto, em mais de oito cidades da Paraíba. A operação foi concluída com onze pessoas presas, oito armas apreendidas e dois veículos roubados recuperados, segundo informações da assessoria de imprensa da Polícia Militar.

A Operação Impacto contou com o reforço do helicóptero Acauã, de mais de 500 policias e 138 viaturas, ocupando cidades como João Pessoa, Campina Grande, Barra de Santa Rosa, Cubati, Juazeirinho, Soledade, Guarabirae Cajazeiras.

Em João Pessoa, de acordo com a polícia, foram apreendidas duas armas de fogo em um intervalo de uma hora. No Bairro dos Novaes, um homem de 44 anos foi flagrado com um revólver calibre 38, durante abordagem ao veículo em que ele estava. No Jardim Planalto, outro revólver de mesmo calibre foi apreendido com um jovem de 21 anos. As outras apreensões de armas ocorreram as cidades de Campina Grande, Cubati e Barra de Santa Rosa.

Segundo a PM, a operação, coordenada pelo coronel Euller Chaves, reduziu a zero o numero de homicídios durante toda a sexta-feira (15), na Paraíba. Na mesma data do ano passado, foram registrados cinco casos no Estado. Ainda de acordo com a assessoria da PM, houve redução também de casos de roubos. Em João Pessoa houve dois registros de roubo durante a noite da sexta-feira e a madrugada deste sábado.

Para o comandante da PM-PB, coronel Euller Chaves, a Operação Impacto apresentou resultados preventivos. “A operação é precedida de uma série de outras operações, que são realizadas 24 horas antes. Como destaque desta 16ª edição, temos a ausência de casos de homicídio ou tentativa durante toda a sexta-feira na Paraíba, a diminuição de chamados ao Ciop e a redução dos crimes de roubos e furtos, graças ao trabalho incansável e feito com muita dedicação por nossos policiais militares”, ressaltou.

O que achou disso?