2 jun 2017 às 1:20 pm

Pequenas empresas podem lucrar mais ao evitar o desperdício

Toda vez que um prato que retorna do salão de um restaurante por insatisfação do cliente ou uma lâmpada  fica acessa durante o dia mesmo com excesso de iluminação natural o empresário perde dinheiro. Esses são exemplos claros de como os detalhes podem custar caro, principalmente, para os pequenos negócios. Ao invés de contribuir para aumentar a lucratividade, o desperdício faz a empresa jogar dinheiro no lixo. Na semana que antecede o Dia do Meio Ambiente, comemorado na próxima segunda-feira (5), o Sebrae no Rio Grande do Norte elencou alguns cuidados necessários a quem está à frente de uma pequena empresa para minimizar gastos inúteis em época de crise, aumentar a lucratividade do negócio.

Para se ter uma noção da gravidade, somente no setor industrial, o desperdício equivale é 11% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil pelos cálculos do governo. “De forma geral, o setor industrial é marcado, infelizmente, pelo desperdício, que poderia ser evitado com revisão de processos. É um desafio para as empresas desse segmento repensarem o desperdício no início do processo, e não na ponta, onde já está acumulado o resíduo”, analisa a gerente da Unidade de Desenvolvimento da Indústria do Sebrae-RN, Lorena Roosevelt.

Embora sem estatísticas, nos demais setores, esse mal se revela no comprometimento a competitividade da empresa. O caminho é adotar práticas sustentáveis dentro da empresa e redobrar o cuidado contra o desperdício. ‘”A política de combate ao desperdício otimiza recursos e matérias primas, reduz custos de produção e aumenta os lucros de empresas de qualquer setor”, enfatiza a gerente.

Um dos cuidados tem a ver com o primeiro exemplo citado, o do restaurante. O empresário deve se prevenir contra defeitos em seu produto. Se alguma mercadoria ou serviço for entregue com falhas, as despesas da empresa aumentam porque os funcionários terão que refazer o produto, o que demanda tempo e dinheiro. O ideal é investir em treinamentos e estabelecer um padrão na operação de equipamentos e atividades, com a definição de métodos, sempre buscando melhoria nos processos.

Da mesma forma que os defeitos, a superprodução também representa um risco. Produzir mais do que é capaz de vender pode ser muito ruim para a empresa. Significa desperdício de material e tempo. O empresário precisa ter cuidado com as políticas de metas de produção. O Sebrae recomenda que empreendedor estabeleça um planejamento de acordo com a real demanda do empreendimento.

Uma área que também merece atenção é o estoque. Mercadorias acumuladas podem ser perdidas por erros de armazenagem e prazo de validade vencido, além de demandarem espaço e esforço para administrá-las. Planeje a compra de materiais e a produção de acordo com a demanda, baseando-se em estatísticas confiáveis de venda e controle de estoque. Estoque excessivo significa dinheiro parado.

Fluxo contínuo

A improdutividade é outro mal que as empresas que desejam ser competitivas devem fugir. A busca pelo fluxo contínuo das atividades irá evitar o desperdício. Se funcionários esperam pela chegada de um equipamento ou de uma ferramenta, estão perdendo tempo e dinheiro. O ideal é planejar para que os processos ocorram sem interrupções ou espera.

Outra dica importante é não transportar sem necessidade. O transporte de mercadorias de forma desnecessária significa gasto inútil. Além disso, o transporte aumenta o risco de produtos serem danificados ou perdidos. É sempre importante se certificar de que as entregas sejam necessárias e os endereços estejam corretos, evitando fornecedores distantes ou trajetos ineficientes.

Organização é a palavra de ordem nas empresas modernas. O desempenho e a eficiência ficam em baixa quando falta organização. Além de interromper o fluxo de atividades, um ambiente de trabalho desorganizado gera maior gasto e perda de tempo. Se forem ser realizados procedimentos adicionais, é bom certificar que eles irão agregar valor ao que vai ser entregue ao cliente. Caso isto não ocorra, a recomendação é evitá-los.

Soluções

O Sebrae no Rio Grande do Norte oferece soluções na área de sustentabilidade, que ajudam o empresário a gerenciar melhor os desperdícios. Um dos exemplos é o programa de Eficiência Energética, que ajuda o empreendedor a otimizar o uso da energia elétrica e diminuir os custos de produção. Algumas empresas, como a Panificadora São Geraldo (que fica no Vale do Açu e participa do programa), chegaram a reduzir o desperdício em 15% após adotar boas práticas.

Outra opção são as consultorias especializadas. O empreendedor pode solicitar um diagnóstico inicial, que é gratuito, para identificar a fragilidade e o tipo de consultoria mais indicado. Nessa área de sustentabilidade, o Sebrae dispõe de consultorias nas áreas de produção mais limpa, gestão ambiental e mapeamento e melhoria de processos, que são subsidiadas pelo programa Sebraetec.

O programa custeia em até 70% o valor das consultorias e o empresário entra com uma contrapartida restante. Para saber mais, o empresário pode procurar um dos pontos de atendimento em Natal e nas cidades do interior, onde estão instalados os escritórios regionais. Pode ainda agendar uma conversa com especialistas através do 0800 570 0800.

Fonte: Blogdojp.com.br

O que achou disso?